Pular para o conteúdo principal

O fim do romantismo

Se a história humana pudesse ser separada em apenas dois momentos, para mim não há dúvida de que seriam a era romântica e a era não romântica. A era romântica constituiu a maior parte da história até agora, ainda podemos vê-la por quase toda parte; de fato, em escala histórica nós acabamos de adentrar a era não romântica. Por isso, é de se esperar que nossos modos insistam em querer ser românticos, é uma questão de hábito. Mas, cada vez mais, mesmo os mais tardios dos homens perderão seu romantismo; serão, pouco a pouco, homens de seu próprio tempo -- homens modernos, o tempo da tecnologia. O modo de viver, o modo de pensar e o modo de agir são inteiramente novos. Em poucas palavras, estamos deixando de ser ingênuos (pois isso é ser romântico). Olhamos para o passado com um belo sorriso malicioso; olhamos para nossos pais e rimos. Somos frutos de uma estranha e assustadora época... Mas, de novo, ainda insistimos com o romantismo; algo em nós gostaria de ter participado de toda aquela comédia. Essa vontade, não raro, possui-nos de formas desproporcionais -- eu sou prova viva disso.

Há alguns anos, coloquei-me a escrever como um escritor de décadas atrás, um escritor romântico. Fui completamente tomado pela escrita durante esse período, que constituiu a produção de meu primeiro livro, a qual chamo "Prólogo". Ainda me recupero da experiência, fisiologicamente falando. Ser tomado pela força do espírito ingênuo do romantismo, como eu fui, teve seu preço... Tentar ser um escritor como o de outrora, imergir nas letras e ver o mundo através das palavras, como se não houvesse nada moderno, tem seu alto preço...

Hoje, alguns anos mais tarde, já totalmente limpo, vejo com mais clareza não só meu próprio estado, mas o estado humano geral. Cada pedaço de tecnologia que nos trouxe até aqui está nos transformando em outros. Não é mais possível viver como eu tentei viver, de forma romântica; não há mais espaço para isso, é preciso aceitar. É preciso aceitar, não olhar para trás com saudosismo ou inveja, mas olhar para frente, adiante, olhar para as muitas novas questões de nosso tempo e do futuro próximo. Aceitando, começaremos a perceber a beleza de viver neste tempo. De fato, nós vivemos na melhor época da humanidade: sua última época.

É dito que o mundo mudará mais nos próximos vinte anos do que já mudou em toda a história até aqui. Ironicamente, a primeira tecnologia transformadora do mundo foi a escrita (constatação que faz compreender o apego a ela como forma de arte). O que uma vez começou lá, com rabiscos no barro há milhares de anos, levou-nos até este grande momento -- o momento em que o animal que tentou ser humano através de uma civilização e frenquentemente falhou se tornará deus. Sejamos, pois, homens deste tempo maravilhoso, homens modernos, o tempo da tecnologia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ética e consumo de carne

Como todo texto sério deve começar, ainda que brevíssimo como este, vou definir o polêmico termo "ética", da forma como será usado aqui; assim dirimimos qualquer confusão. Ética é a análise, rigorosa ou não, das ações certas e erradas de um indivíduo ou grupo de indivíduos em relação a outro indivíduo ou grupo de indivíduos. Assim, "ético" como adjetivo pode ser tudo aquilo que é certo; e "certo" é o que tem o menor impacto negativo possível.

Análises sobre ética não podem ser feitas sobre os animais, visto que eles não têm opção de como agir e tampouco têm a capacidade intelectual para analisar o impacto de suas ações. Então, se um leão mata uma presa simplesmente para se divertir, não podemos julgar.

Ter a "capacidade intelectual para analisar o impacto de suas ações", neste caso, é ter a habilidade de enxergar através dos ollhos do outro e entender sua angústia. Isso é um exercício mental, que os animais, por mais inteligentes que sejam, não …

Aforensaio 7

O que é o Brasil? Eis uma pergunta que gostamos de fazer por muito tempo, mas agora nos mostramos a nós mesmos aflitos, sem a resposta. Essa aflição nos leva a perguntar, desesperadamente, a qualquer estrangeiro que aporte por aqui: "O que é este país? que espécie de país é este?", e estapeamos-lhes a face, reperguntando. Temos a esperança de que eles saibam como quem sabe de uma pintura ao se distanciar e ver o quadro todo; mas não olham esta obra, e mal sabiam de sua existência. Quando percebi que este estranhamento ante este país me tornava também um estrangeiro, refiz-me a pergunta, afastando-me do mapa (pendurado à parede como obra de arte), depois de aflito já tê-lo girado 180 graus; o que vi não foi senão um punhado de estados escolhidos à sorte, comprimidos à força entre si – como me mostravam trêmulas e duvidosas as linhas fronteiriças – numa tentativa desesperada de união, que nunca existiu.

A inesperada solução para a exploração trabalhista

Em face do estado de calamidade econômica pelo qual o Brasil passa, com 13 milhões de desempregados -- e tantos outros milhões que não entram nas estatísticas, por terem desistido de procurar --, é oportuno discutir a natureza do trabalho neste país. Precisamente, o que mais me importa aqui (como sugere o título) é o estado de vulnerabilidade em que se encontra o trabalhador que finalmente consegue o emprego que almeja. Para começarmos de fato, espero que, a esta altura, estejamos todos de acordo sobre isto: o ser humano age, na maioria das vezes, por incentivos, e melhorar sua própria condição de vida é sua grande busca -- em outras palavras, na maior parte das vezes suas ações visam a ganhar vantagem, a melhorar sua qualidade de vida (comparando com a condição logo anterior à ação tomada). No âmbito da vida na sociedade moderna e todos os benefícios que ela pode oferecer, a ação mais comum das pessoas é a livre associação que fazem entre si com o objetivo de gerar riqueza e partilhá-l…